Análise de Políticas Públicas

Apresentações das aulas

 

Material didático

Ciclo de políticas públicas (25/07/2014)
Textos base:

DYE, Thomas R. (2005). Mapeamento dos modelos de análise de políticas públicas. In Heidemann, F. G.; Salm, J. F. (2010). Políticas Públicas e Desenvolvimento. Brasília: Editora UnB
FREY, K. 2000. Políticas públicas: um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de políticas públicas no Brasil. Planejamento e Políticas Públicas, Brasília, n.21, p. 211-259, jun. 2000. Acesso aqui
RIPLEY, Randall B. (1985). Stages of the policy process.In: in Daniel C. McCool (1995). Public Policy Theories, Models, and Concepts: an anthology. Prentice Hall

Complementares:

MONTEIRO, J. V.. (2007). Os níveis de análise de políticas públicas. In Saravia, E.;Ferrarezi, E.. (2007). Políticas Públicas – Coletânea Volume 1. ENAP. Brasília
VIANA, Ana Luiza. Abordagens metodológicas em políticas públicas. Revista de Administração Pública (RAP), Rio de Janeiro, v. 30, n.2, p. 5-43, Mar/Abr 1996. Acesso aqui

Tipologias

LOWI, T. J. (1964). ‘American Business, Public Policy, Case Studies, and Political Theory’, World Politics 16: 687-91, 713.

LOWI, Theodore J. (1972). Four Systems of Policy, Politics, and Choice. Public Administration Review, Vol. 32, No. 4, Jul-Aug, pp. 298-310.

SPITZER, Robert J. (1987).Promoting Policy Theory: Revising the Arenas of Power. Policy Studies Journal 15, June, pp 675-689. in Daniel C. McCool (1995). Public Policy Theories, Models, and Concepts: an anthology. Prentice Hall, pp 233-244.

Formação de agenda

CAPELLA, Ana Cláudia N. (2006). Perspectivas Teóricas sobre o Processo de Formulação de Políticas Públicas. BIB, São Paulo, nº 61, 1º semestre de 2006, pp. 25-52

KINGDON, John W. (1995). Agendas, Alternatives, and Public Policies. 2nd Edition. Harper Collins CollegePublishers. in SARAVIA, Enrique; FERRAREZI, Elisabete. (2007). Políticas Públicas – Coletânea Volume 1. Como chega a hora de uma idéia (pp. 219-224); Juntando as coisas (pp. 225-246)

True, J., Jones, B., and Baumgartner, F. (2007). Punctuated-equilibrium theory: explaining stability and change in public policymaking. In Paul A. Sabatier (Ed.), Theories of the policy process (pp. 155-187). Boulder: Westview Press.

Processo de formulação de políticas públicas

LINDBOM, Charles E. (1959). The Science of Muddling Through. Public Administration Review 19(2), Spring, pp 79-88. In Heidemann, F. G.; Salm, J. F. (2010). Políticas Públicas e Desenvolvimento. Muddling Through 1: a ciência da decisão incremental. Brasília: Editora UnB. Pp 161-180

LINDBLOM, Charles E. (1979). Still Muddling, Not Yet Through. Public Administration Review, 39 (6), Nov-Dec, pp. 517-526. In Heidemann, F. G.; Salm, J. F. (2010). Políticas Públicas e Desenvolvimento. Muddling Through 1: a ubiqüidade da decisão incremental. Brasília: Editora UnB. Pp 181-202

COHEN, Michael; MARCH; James; OLSEN, Johan.(1972). “A Garbage Can Model of Organizational Choice“. Administrative Science Quarterly 17 (March): 1-25.

CAMERON, D.; CAMERON, S.; HOFFERBERT, R. Não-incrementalismo na política pública: a dinamica de mudança. Revista de Administração Pública, v. 10, n. 2, p. 149-220, 1976. Disponível aqui

ETZIONI, Amitai. (1967). Mixed scanning: a ‘third’ approach to decision-making”. Public Administration Review, 27(5), december. In Heidemann, F. G.; Salm, J. F. (2010). Políticas Públicas e Desenvolvimento. Mixed scanning: uma ‘terceira abordagem da tomada de decisão. Brasília: Editora UnB. Pp 161-180. Acesso ao livro

Atores e participação

Sabatier, Paul A. Weible, Christopher M. 2007. The Advocacy Coalition Framework: Inovations and Clarifications. In. Sabatier, Paul A. Theories of the Policy Process. 2nd Edition. Westview Press.
Milani, Carlos R. S. O princípio da participação social na gestão de políticas públicas locais: uma análise de experiências latino-americanas e européias. RAP – Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro 42(3):551-79, maio/jun. 2008 Link Scielo

Implementação de políticas públicas

BARRETT, Susan. Implementation Studies: Time for a Revival? Personal Reflections on 20 Years of Implementation Studies. Public Administration 82 (2), 2004.
LIPSKY, Michael. Street-level bureaucracy : dilemmas of the individual in public service. New York, Russell Sage Foundation, c, 2010. Introdução
MATLAND, R. Synthesizing the Implementation Literature: the ambiguity-conflict model of policy implementation. Journal of Public Administration Research and Theory, 5(2), p. 145-174, 1995.

SUBIRATS, Joan. (1989). El papel de la burocracia em el proceso de determinación e implementación de las políticas publicas. In: SARAVIA, Enrique; FERRAREZI, Elisabete. (2007). Políticas Públicas – Coletânea Volume 2. Brasília: ENAP.Pp 113-126
Winter, Søren C. (2002). Implementation perspectives: Status and Reconsideration. In Peters, Guy; Pierre, Jon. Handbook of Public Administration. Sage Publications. 2002, Reprinted 2005

Introdução e Conclusão de GOMIDE, A. e PIRES, R. Capacidades Estatais e Democracia. Arranjos Institucionais de Políticas Públicas. IPEA, Brasília, 2014.
LOTTA, Gabriela. Desvendando o papel dos burocratas de nível de rua no processo de implementação: o caso dos agentes comunitários de saúde. In: FARIA, C. A (org). Implementação de Políticas Públicas. Teoria e Prática. Editora PUCMINAS, Belo Horizonte, 2012.
LOTTA, Gabriela. O papel das burocracias do nível da rua na implementação de políticas públicas: entre o controle e a discricionariedade. In: FARIA, C. A (org). Implementação de Políticas Públicas. Teoria e Prática. Editora PUCMINAS, Belo Horizonte, 2012.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s